A arte de falar bobagens

image_pdfimage_print

A ignorância vem em primeiro lugar é ela que leva alguém a falar bobagem em público.  O sujeito desconhece o assunto, abre a boca e dá sua opinião superficial. É na praia da Bobagensignorância que nadam dezenas de influenciadores digitais.

burrice é outro ponto. O burro tem certeza de que sabe o que não sabe. E, pior, não aprende! Como dizia Nelson Rodrigues: A ignorância é o desconhecimento dos fatos e das possibilidades.

soberba é outro ponto, a manifestação de superioridade sobre outras pessoas, que tem a ver com orgulho, pretensão, arrogância, altivez e autoconfiança exagerada. Nesta praia, os da soberba também nadam muitos influenciadores digitais, mas mais ainda muitas personalidades da mídia.

estratégico é o que fala bobagem intencionalmente. Um exemplo disto são alguns comentaristas esportivos. Eles fazem questão de falar bobagens sobre times e torcidas, para agitar os ânimos e ganhar audiência. O pior é que conseguem.

A canalhice, por fim. O sujeito sabe que o que está falando é bobagem, e fala assim mesmo, na intenção de obter algum resultado. Esses são os piores, pois não têm a ingenuidade da ignorância ou da soberba, nem a intenção puramente pragmática do estratégico. São canalhas, querem vantagem para si e os outros que se explodam. É complicado lidar com eles. A má fé e a canalhice fazem parte do meio político do Brasil.

A arte de falar bobagem envolve ou ignorância, ou burrice, ou soberba, ou estratégia, ou canalhice. Da próxima vez que você se deparar com alguém falando bobagem, tente enquadrá-lo numa dessas categorias.

Baseado em um Texto de Luciano Pires

Leia mais em: http://www.portalcafebrasil.com.br

Post (309) – Setembro de 2017

Publicado em -Palavras, L.Pires | Comentários desativados em A arte de falar bobagens

Projeto Primeira Kartilia da Lingua Brazileira

image_pdfimage_print

Esta é uma tentativa, ou melhor, um esboço do que seria uma cartilha simplificada da “Primeira Kartilia da Lingua Brazileira“. O difícil é fazer simples para que qualquer um entenda e quanto menor o número de regas mais fácil vai ser o seu entendimento, portanto só deverá existir uma.


Regra única:
“Ao escrever uma palavra use sempre as letras que representam o som que foi usado para falar.”

Exemplos de emprego da regra:

  • Palavras onde se usa “S” com som de “Z” serão escritas com “Z”.h
    Ex: Meza.
  • Palavras onde se usa “C” com som de “K” serão escritas com “K”.
    Ex: Kaza (Residência) [ K em vez de C e Z em vez de S].
  • Assim como as começadas por “QU”, ficariam assim:
    Ex: KeroKero,  Kerida…
  • Palavras com som de “X” onde se usa “CH” serão escritas com “X”.
    Ex: Xave (Atuador da fechadura), Gauxo… [ X em vez de CH].
  • Palavras escritas com “Ç” passam a ser escritas com “S” simples visto que este agora não tem mais som de “Z”.
    Ex: Comesar.
  • A letra “H” no inicio de palavras, desaparece.
    Ex: oje, onra, etc.
  • O “LHI” desaparece e fica substituído pelo “LI”.
    Ex: Velinha.
  • Palavras com “L” no final, porem com som de “U”, escreve-se com “U”.
    Ex: Mau.
  • Palavras terminadas com “E”, porem com som de “I”, escreve-se:
    Ex: Juri [ tanto do tribunal como o do verbo jurar]
  • Palavras onde se usa “SS” passam a usar “S” simples.
    Ex: Casapa.
  • Para o caso de dúvida quanto usar “X” ou “S” use preferencialmente o “S”.
    Ex: Estrato [neste caso se for escrito com “x” não estará de todo errado].
  • Vogais solteiras devem ser acompanhadas por uma consoante;
    Ex; Adevogado, subistituído, recepitores…
  • Ifens nem pensar [parece-me que no português já existe algo parecido]
    Ex: Mataboram.
  • Os porquês teriam uma forma única de grafia: “porque”.
  • O caso do “ÃO” ser substituído por “AM” ainda esta em estudos mais profundos. Assim com excluir definitivamente o “W” e o “Y” que teimam em aparecer principalmente em nomes próprios de pessoas e produtos estrangeiros.

Estes são alguns dos exemplos, a contribuição dos seguidores e amigos é que poderá enriquecer a proposta.

Textos escritos, exemplificando a nova cartilha:

“Koizas de Gauxo!

 – Um dia destes eu estava centado na varanda de minha kaza la na xacara, pensando na vida e tomando um ximaram, quando o caxoro latiu e vi no orizonte, a kavalo, xegando uma vizita inesperada, logo fui avizando a minha espoza: vamos ter um convidado para o almoso.”

“Axo que tudo iria ficar mais cinples… e ainda poderíamos convidar para um descanso merecido todos akeles que ocupam os acentos das kadeiras da Academia Brazileira de Letras… ke em vez estarem pensando em modernizar a nosa lingua estam so tomado xa …”

Post (308) – Julho de 2017

Publicado em -Crônica, -Educação, N.Geraldi | Comentários desativados em Projeto Primeira Kartilia da Lingua Brazileira