São só palavras

image_pdfimage_print

Post (0150)

 (A agenda)

Estava arrumado umas coisas no baú, quando encontrei uma velha agenda, sabes, aquelas que eram feitas de papel, hoje já fora de moda. Folhando vi que tinha frases com pensamentos no roda-pé de cada uma das páginas. Comecei a separa algumas para publicar no Blog, mas à medida que as transcrevia algo interessante aconteceu, começaram a surgir nas frases … palavras que pareciam quer saltar… :

– “Todo o homem é arquiteto de seu próprio destino.” (Salústio)

– “Se você atirar lama na parede, mesmo que não grude, ela deixará marca.” (Provérbio Árabe)

– “A burrice é contagiosa – o talento não.” (Agripino Grieca)

– “O casamento é um edifício que deve ser reconstruído todos os dias.” (André Mauirois)

– “A verdade é que a gente não faz filhos. Só faz o layout. Eles mesmos fazem a arte-final.” (Luiz Fernando Veríssimo)

– “Um profissional é aquele que faz o seu trabalho quando menos vontade têm de fazê-lo.” (Frank Lloyd Wright)

– “A bondade é o único investimento que nunca vai à falência.” (Henry Cavid Thoreau)

– “Só umtolo confunde o valor com o preço.” (Antônio Machado)

– “Um grama de ação vale mais que uma tonelada de teoria.” (Friedrich Engels)

– “Um sorriso custa menos que a eletricidade que dá a luz.” (Provérbio Escocês)

… e elas foram se reagrupando … e eis o que surgiu em meu pensamento:

“O homem, com vontade, tem o talento para fazer o layout e a arte-final do seu destino. Como um arquiteto em um edifício faz o seu trabalho profissional, não se confunde, calcula o investimento, o valor, o preço final para evitar a falência. De um único grama de eletricidade pode fazer uma tonelada de luz.

Gente é verdade, não é teoria : – Um sorriso, um ato de bondade todos os dias, custa menos, vale mais que uma palavra e deixará a sua marca para sempre.”

.. são só palavras que juntas formam um texto – não tem moral da história.

NG Canela – Novembro de 2011.

Sobre Norberto Geraldi

Residente em Canela / RS / Brasil - Aniversário 16 julho - Brasileiro - Casado
Esta entrada foi publicada em -Crônica, -Palavras, N.Geraldi. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *