Morte lenta

image_pdfimage_print

Post (0089)

Morre lentamente quem:

– Não troca ideias, não troca de discurso, evitando as próprias contradições;

– Quem vira escravo da rotina, repetindo todos os dias o mesmo trajeto e as mesmas compras no mercado;

– Quem não troca de marca, não arrisca vestir uma nova cor, não dá papo para quem não conhece;

-Quem faz da televisão o seu guru e seu parceiro diário, alienando-se diante de uma imagem, que mesmo trazendo informação e entretenimento, não deveria ser o único meio de lazer, deixando no esquecimento: Livros, teatro e até mesmo um bom papo com os seus conhecidos.

– Que evita uma paixão;

– Quem prefere o preto no branco e os pingos nos “is” a um turbilhão de emoções indomáveis;

– Quem evita sorrisos e soluços;

– Quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, ou seja, lá no que for, quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.

– Morre lentamente quem destrói seu amor próprio;

– Quem passa os dias queixando-se da má sorte ou do tempo lá fora, desistindo de um projeto antes mesmo de iniciá-lo;

– Quem não pergunta sobre algo que desconhece e mais não respondendo quando lhe indagado sobre o que sabe.

– Morre muita gente lentamente, e este é o tipo de morte mais ingrata e traiçoeira, pois quando nos damos conta, ai já estamos muito despreparados para percorrer o tempo que ainda nos resta.

– Já que ela é inevitável, pelo menos a evitemos em suaves prestações.

De um autor desconhecido (Possivelmente já falecido) -NG Canela – Dezembro de 2009

Sobre Norberto Geraldi

Residente em Canela / RS / Brasil - Aniversário 16 julho - Brasileiro - Casado
Esta entrada foi publicada em -Comportamento. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *