Mulher no volante, perigo constante para os carros com direção autônoma

 Post (0264)

A ausência de um cromossoma Y causa diversas alterações fisiológicas nos seres humanos. Se por um lado aumenta muito a percepção de cores, permitindo perceber tonalidades que para indivíduos XY são apenas teóricas, como Branco-Gelo, Marfim e Bege, por outro lado causa a terrível deficiência de tornar esses indivíduos incapazes de apreciar a beleza do som de um motor V12 Ferrari.

15

Outro problema causado pela ausência do cromossoma Y é que pessoas não-portadoras dele se tornam mais objetivas e pragmáticas, carecendo do deslumbramento infantil por máquinas com luzes que piscam e fazem “ping” ou “bleep”.

Isso complica a vida de soluções tecnológicas que homens adotam sem pensar, como o sistema de direção autônoma do Google e outros fabricantes, como descobriu uma pesquisa do NerdWallet, com 1.000 entrevistados.

Eles descobriram que a abordagem varia bastante entre os dois sexos, quando o assunto são carros autônomos.

Entre outras estatísticas:

50% dos homens estão interessados em carros autônomos. Entre as mulheres? Só 37%;

44% dos homens acha que eles acabarão com a graça de dirigir. Só 23% das mulheres concordam;

55% das mulheres se preocupam com a segurança dos carros autônomos. Só 37% dos homens demonstraram preocupação semelhante;

31% dos homens acham que o carro irá coletar dados pessoais demais. Mulheres, que não estão nem aí paro Snowden, só 23% se preocupam com privacidade.

Quando perguntadas se não estavam interessadas em carros autônomos, 54% das mulheres confirmaram não ter qualquer interesse.

Vender esse peixe para elas será bem complicado, ainda mais com as projeções de que essa tecnologia aumentará o preço dos carros entre US$ 5 mil e US$ 10 mil. Dadas as estatísticas a situação dos fabricantes é pior ainda, pois mulheres se envolvem em bem menos acidentes de trânsito. Elas não querem e não precisam de carros autônomos.

Fonte: Nerd Wallet Por Carlos Cardoso




Alerta contra apocalipse robótico

Post (0256)

Um dos tópicos mais comuns em ficção científica é a criação de inteligência artificial, que por sua vez supera, domina e xxxx2declara guerra ao criador. Essa realidade existe – boa parte de nossas transações em bolsa são feitas por computadores entre computadores.

Se você tem um carro de última geração quem dirige é o computador: desligue os controles de tração e você se esborracha na primeira curva. A inteligência artificial já é uma realidade, mas discreta e dedicada.

Por enquanto não temos computadores conscientes, com noção da própria individualidade. Esse será o grande salto, mastambém pode ser o último. Quando computadores começarem a inventar computadores maiores e mais rápidos o homem sairá do circuito.

Essa preocupação não é nova. Arthur Clarke já escreveu sobre cenários assim. Devemos ter cuidado com Inteligência Artificial, ela pode ser mais perigosa que armas nucleares. Não que os Teslas vão começar a eletrocutar seus donos. Não imediatamente, claro, que um cenário “Exterminador do Futuro” possa vir a ser uma possibilidade. Elon Musk e Stephen Hawking são pessimistas. Não é extinção, é evolução. Nossos descendentes mecânicos sempre serão baseados em nossas idéias, em nossa inteligência. Arthur Clarke, em “3001” descreveu perfeitamente:

E agora, lá em meio às estrelas, a evolução rumava para novas conquistas. Fazia muito que os primeiros exploradores da Terra haviam atingido os limites da carne e osso; tão logo suas máquinas ficaram melhores do que seus corpos, chegou a hora de mudar. Primeiro transferiram seus cérebros, e depois apenas seus pensamentos, para novas e reluzentes moradias de metal e pedras preciosas. Nestas percorreram a Galáxia. Já não construíam naves espaciais. Eles eram as naves espaciais. Mas a era das Entidades Mecânicas passou depressa. Em sua experimentação incessante, eles haviam aprendido a armazenar conhecimentos na estrutura do próprio espaço e a preservar suas idéias por toda a eternidade em arranjos de luz congelados. Em pura energia, portanto, acabaram se transformando; e em milhares de mundos, as conchas vazias que eles haviam descartado contorceram-se por algum tempo, numa negligente dança da morte, até se desfazerem em pó. Agora, eles eram os Senhores da Galáxia e podiam vaguear à vontade por entre as estrelas, ou mergulhar qual bruma sutil pelos próprios interstícios do espaço. Embora estivessem finalmente livres da tirania da matéria, não haviam esquecido por completo suas origens no limo tépido de um mar desaparecido. E seus instrumentos maravilhosos ainda continuavam a funcionar, vigiando os experimentos iniciados tantas eras antes.”

“A Humanidade insiste em se achar o ápice da Criação, quando na verdade é bem provável que sejamos apenas o primeiro passo. Somos uma reles ameba preparando o terreno para a “Verdadeira Inteligência”. Pensando bem, imagine então como as amebas devem se sentir.”

Texto de  Carlos Cardoso , resumido.

Veja o texto original em: http://meiobit.com/294274/para-elon-musk-a-super-inteligencia-artificial-sera-pior-que-armas-nucleares/#more-294274

NG Canela – Agosto de 20141